Friday, January 06, 2012

1979

Certas músicas contam uma história para cada um de nós. Uma história que vai muito além da sua letra ou da sua melodia. Associamos músicas a momentos, seja pelas memórias que nos trazem quando as ouvimos, seja por terem começado a tocar naquele preciso instante. Faixas aleatórias passam a ser inesquecíveis, tornando-se parte da nossa própria história, acompanhando-nos de perto para o resto das nossas vidas.

Verão de 2003, na altura tinha quinze anos e não estava com muito sono. Já passava da meia-noite quando, após ter desligado o PC, decidi ficar pela sala a ver televisão. Os meus pais já estavam a dormir portanto mantive o volume baixo. Vi um filme qualquer que terminou por volta das duas da manhã e comecei a fazer zapping pelo Discovery Channel e o Odisseia, parando por vezes no Sol Música quando não encontrava nada de jeito para ver.

As horas iam passando e pouca ou nenhuma vontade tinha de me deitar. Fui buscar a minha cassete do Em Busca do Vale Encantado e comecei a ver. Terminou pouco antes das cinco da manhã. O Canal Panda ainda não tinha dado início à edição do dia seguinte.

Por volta das seis da manhã já conseguia ver um simples vislumbre da aurora pela janela da sala. Nunca tinha visto o dia nascer, pelo menos não desta forma. Continuei a fazer zapping e parei na MTV, após alguns videoclips, começou a tocar a 1979 dos Smashing Pumpkins, nunca a tinha ouvido antes mas conseguiu captar a minha atenção no imediato. Não consegui apanhar o nome da música nas legendas por isso tentei decorar alguma parte da letra para poder procurá-la na manhã seguinte. Os esforços foram em vão. Quando a manhã enfim chegou já me tinha esquecido por completo da letra. Tinha apenas a melodia para me guiar.

Fiquei à janela a ver o sol nascer com a MTV ou o VH1 a tocarem no fundo. A minha mãe acordou por volta das sete da manhã para ir trabalhar. Quando me viu na sala a ver televisão perguntou-me porque tinha acordado tão cedo. Embora tivesse levado alto raspanete por ainda não ter ido para a cama, deixei-me ficar por ali. Não me lembro o que fiz durante o dia, apenas me lembro de ter perdido a consciência por volta das seis da tarde depois de me sentar no sofá por alguns segundos. Quando acordei eram quase sete, cheguei a estar perto de 36 horas acordado. Até hoje, não sei bem porque o fiz, talvez quisesse testar os meus limites, talvez estivesse apenas aborrecido.

Dessa noite o único episódio memorável acabou por ser o videoclip da 1979. Foram precisos cinco anos para encontrar a música, quando, por mero acaso, ouvi-a a tocar na rádio. Desta vez anotei algumas frases numa mensagem do meu velho telemóvel e encontrei-a com alguma facilidade após uma pesquisa pela letra no Google.

As memórias daquele nascer do sol vão para sempre ficar ligadas a esta música e ao videoclip que a acompanha. Momentos improváveis de pouco significado que permanecem assim guardados nos nossos pensamentos, apenas porque numa simples noite de Verão não me apeteceu ir dormir.

No comments: